Arquivo mensais:outubro 2019

Como fazer pós-venda

Sem dúvidas, existem diversas atividades que podem ser realizadas a fim de melhorar a experiência dos clientes. Dentre elas, destaca-se a etapa do pós-venda. Trata-se de um conjunto de atividades pensadas para oferecer e manter um bom e satisfatório relacionamento com o cliente, oferecendo abertura para que ele faça uma reclamação, um enaltecimento ou um alento. Afinal, a finalização de uma compra não significa o término da relação de consumo. Valorizar e dar atenção ao consumidor é fundamental para que ele volte a adquirir os produtos de sua marca e para que ele se torne um consumidor recorrente.

Qualquer que seja o cliente de sua empresa, é necessário tratá-lo como um potencial parceiro. Afinal, ele avaliará seu produto final poderá indicá-lo para algum conhecido. Nessa lógica, zelar por uma boa experiência é essencial para que sua marca seja valorizada. Para que isso ocorra, o pós-venda deve ser realizado de forma planejada e consciente, com o objetivo de atender as necessidades do consumidor e confortá-lo quanto à sua demanda.

Todos potenciais clientes gostam de segurança ao consumir algum produto. Pensando nisso, escutar o seu consumidor é uma maneira efetiva de criar laços de confiança, pois qualquer tipo de problema que ele possa ter, saberá que será atendido e amparado pela empresa. Assim, será mais fácil de fidelizá-lo.

Além disso, um pós-venda de qualidade é um indicador de que os produtos de uma marca são de excelência. Isso ocorre pois, dar voz ao seu cliente para opinar sobre sua mercadoria, significa que você está seguro sobre a qualidade do seu produto, afinal, está colocando em risco o nome de sua empresa, o que confirma que o pós venda é uma referência de segurança para o cliente.

Existem, portanto, algumas dicas importantes que ajudam na hora de proporcionar a experiência do pós-venda para o seu cliente:

Como fazer pós-venda, datas especiais

1- Entre em contato com seu cliente em datas especiais

Empresas que entram em contato com seus clientes em datas especiais como aniversários, Natal e Ano Novo demonstram que se importam não apenas com a venda, mas também com o bem-estar e a satisfação de seus consumidores. Além disso, datas como essas são excelentes oportunidades para conceder vantagens aos compradores, como brindes, descontos e ofertas especiais. Essa é uma maneira simples de fazer com que o cliente se sinta importante e de fazer com que ele se lembre de você.

2- Divulgue lançamentos para clientes antigos

A exclusividade é um dos elementos fundamentais para a fidelização. A divulgação de lançamentos para clientes antigos faz com que eles se sintam diferentes dos demais, já que passam a ter acesso a novos produtos e serviços em primeira mão. Mais do que um produto, o consumidor estará adquirindo uma experiência personalizada que vai além da relação estritamente comercial. A noção de exclusividade fomenta o interesse facilita o estabelecimento de uma relação dinâmica entre o consumidor e a empresa.

3- Estudar o perfil do cliente

Analisar o perfil do cliente é um passo fundamental para a estratégia do pós-venda. Saber de forma clara quem é o seu cliente ajuda a orientar as ações a serem desenvolvidas, fazendo com que sejam mais assertivas e resultem em melhores conversões. Além disso, conhecer bem o cliente é importante para estabelecer um relacionamento individual e personalizado, fazendo com que ele se torne, dessa maneira, um cliente recorrente dos produtos e serviços oferecidos.

4- Tempo de resposta

Tempo de resposta pode ser entendido como o período entre a solicitação de algo pelo cliente e o retorno da empresa. É importante que exista uma adequação entre o período de espera e a complexidade da solicitação realizada. Além disso, é fundamental ter empatia com o cliente, compreendendo suas necessidades e expectativas e buscando satisfazê-las da melhor forma possível reduzindo o tempo de espera de uma solicitação. É importante também que os colaboradores tenham uma escuta ativa e conhecimento dos produtos e serviços, já que a maioria das solicitações dizem respeito ao pedido de informações.

Como nós podemos ajudar?

Gostou das dicas? Quer ter uma experiência de consultoria personalizada em suas atividades? Contrate a Júnior FEA-RP para alavancar suas metas e alcançar seus objetivos. Aguardamos seu contato.

Como fazer pós-venda

Índice de Preço Markup: O que é e onde pode melhorar o seu negócio

Já se perguntou como se é possível ter precisão em estipular seus preços de vendas e garantindo seu sucesso para negócio e como isso pode te deixar a frente de seus concorrentes de maneira efetiva e acessível? Esse artigo vai te explicar o que é o Markup e os benefícios que ele gera para os seus desfrutadores.

O que é Markup?

Markup é um índice de preço utilizado para definir o valor de venda que garante que todos os seus custos para a venda de seu produto e/ou serviço sejam pagos. Ele permite você entender quais são os reais fatores e a porcentagem deles que influenciam no seu preço de venda, e com essas informações você pode ter maior segurança para suas tomadas de decisões.

Como ele pode te gerar benefícios?

Embora não deva ser utilizado isoladamente para definir seus preços, ele é um excelente ponto de partida tanto para definir um preço de um novo produto ou serviço para negócios que já são estabelecidos no mercado ou novos empreendimentos. Isto é, saber se tais valores condizem com a realidade do negócio e saber utilizar-se das informações obtidas para ter novas oportunidades ou ameaças, por exemplo, saber que seu valor de venda está a abaixo ou acima em comparação aos seus concorrentes.

Como funciona?

Todas as empresas utilizam o Markup de alguma forma, mesmo que sendo incompleta para a definição de seus preços, por exemplo, utilizando o preço médio entre empresas do mesmo ramo e conhecimentos adquiridos durante o tempo e adaptando-os para os custos do negócio. Contudo é dividido em 3 principais componentes: Despesas fixas, Despesas variáveis e Margem de Lucro.

Despesas Fixas: são os gastos que não dependem da quantidade de produtos/ serviços vendidos para se formar, por exemplo, aluguel, salários (fixos).

Despesas Variáveis: se opõem as despesas fixas, isto é, são gastos totalmente relacionados na cadeia da quantidade de produtos/ serviços vendidos. Pode se exemplificar a comissão de vendedores, pois é um gasto que só varia conforme os produtos forem vendidos.

Margem de Lucro: sendo autoexplicativo esse componente baseia-se no lucro esperado do empresário, na maioria em porcentagem, qual é o valor que deverá ser incluso no seu preço final para você ter os seus retornos esperados e conseguir mapeá-los e projetá-los.

Como calcular?

Agora com todos os conhecimentos adquiridos nesse tópico podemos prosseguir para o entendimento do cálculo do Markup:

• Despesas Fixas (DP): R$15 por produto
• Despesas Variáveis (DV): R$17 por produto
• Margem de Lucro (ML): R$19 por produto
• Preço Unitário do Produto (PU): R$45

MARKUP = 100/100-(15+17+19)
MARKUP = 100/100-51
MARKUP = 100/49
MARKUP = 2,04

O valor de 2,04 é o valor que deverá multiplicar PU resultando no preço de venda que garantirá tais retornos:

PREÇO DE VENDA = PU x MARKUP
PREÇO DE VENDA = 45 x 2,04
PREÇO DE VENDA = R$ 91,83

Ficou curioso e animado para aplicar isso em sua empresa? Nós da Júnior-FEA podemos te auxiliar a implementar isso em seu negócio por meio de nossos projetos de Análise de Custos e Formação de Preços.

Como funciona o empreendedorismo nas startups?

As startups estão em alta, mas nem todo mundo entende o que elas são. Então, vamos te explicar o que são elas e como o empreendedorismo funciona nessas empresas.

O que é uma startup

As startups estão se tornando uma pauta cada vez mais constante no mundo, e no Brasil não é diferente. Em 2018 assistimos as primeiras startups brasileiras se tornando unicórnios, que são startups que passam a valer mais de US$ 1 bilhão.

Mas, afinal, o que é uma startup? O termo startup nasceu na década de 90 nos Estados Unidos na época da bolha da internet e fazia referência a um grupo de pessoas que se uniam para executar uma ideia que poderia se tornar uma empresa rentável.

Hoje as startups saíram dos Estados Unidos para ganhar o mundo. E ainda restam dúvidas sobre o que se configura como uma startup, já que existem várias definições.

Podemos entender startup como uma empresa nova, geralmente ofertando um produto ou serviço fortemente ligado à tecnologia. Além disso, seu produto deve promover inovação, seu modelo de negócios precisa ser escalável e com alto potencial de rentabilidade.

E como funciona o empreendedorismo nas startups?

Empreender no jargão do mundo empresarial diz respeito a abrir um novo negócio ou colocar em prática uma nova ideia dentro da empresa. Pensando nisso, as startups já estão intimamente ligadas com o termo, já que são empresas novas que estão ligadas à uma inovação.

Mas dentro das startups o ritmo do empreender deve ser mais acelerado, uma vez que a sua escala de crescimento deve ser mais acelerada. E por quê? Basicamente, a startup empreende apostando todas as suas cartas no seu produto, assumindo o risco de dar tudo errado.

Isso se torna mais claro ao passo em que entendemos de onde vem o dinheiro para executar as ideias, o capital inicial pode sair do bolso dos próprios fundadores. Contudo, para fazer com que o crescimento seja exponencial, a startup vai precisar do investimento externo.

O retorno do investimento caso a startup dê certo é bem alto

Investimentos como de anjos ou fundos de investimentosão o que permite que as startups saiam do papel, consigam contratar funcionários e pagar suas contas. E muita gente vem ganhando dinheiro investindo em novas empresas, pode significar perder dinheiro se tudo der errado, mas se der certo o lucro é muito alto.

Como funciona o dia-a-dia do trabalho nas startups?

Diferente de outras empresas as startups nem sempre contam com o recurso necessário para contratar todo o time que ela idealmente precisa, fazendo com que todo mundo tenha que fazer um pouco de tudo. Isso não vale só para os funcionários contratados, mas também para o CEO e sócio-fundadores da empresa.

Inclusive, as pessoas que decidem se aventurar pelo empreendedorismo em startups devem ter consciência que o caminho não será fácil. Fundadores de startups devem ser especialistas no produto que vão vender ou em algo que possa ajudar no crescimento do negócio, o que demanda ​muito estudo.​

Como já falamos, tudo mundo deve fazer um pouco de tudo, então até mesmo os cargos mais altos vão precisar executar tarefas mais operacionais. Além disso, a carga de trabalho vai ser pesada, a demanda não vai ser só no escritório, mas também em eventos e ​na leitura não só de livros, mas também de revistas e jornais​.

Exemplos de startups brasileiras

O cenário brasileiro parece estar cada vez mais fértil para o surgimento de startups, podemos ver empresas como Nubank e 99 trazendo inovação para seus respectivos mercados e obtendo muito sucesso na rentabilidade do negócio.

Podemos notar também uma grande variedade de modelos de negócio e produtos ou serviços oferecidos. Por exemplo, o Nubank oferece serviços bancários, revolucionando o mercado bancários brasileiro, que era majoritariamente físico.

Já a 99 trouxe uma nova perspectiva para a mobilidade urbana, agregando em um só lugar carros particulares e táxis, revolucionando duas vezes um nicho do mercado.

E existem ainda outros exemplos, como é o caso da LiveHere, startup que se destaca no setor imobiliário oferecendo ​moradias estudantis para universitários no interior de São Paulo.

Todo esse cenário de diferentes startups brasileiras, de diversos segmentos, apresentando uma performance e lucratividade tão boa, abre portas para novos empreendedores e investidores.

Entretanto, é importante ter planejamento, os jornais só mostram os casos de sucesso, por trás disso teve muita gente que tentou e não deu certo. Isso é normal, mas é interessante ter consciência do tamanho do desafio.

Dicas para quem deseja empreender no modelo de startup

Já falamos sobre todo o foco e trabalho duro necessários para quem sonha abrir uma startup, mas ainda temos quatro dicas bem legais para contribuir com os futuros empreendedores:

Inovação é coração de uma startup: não necessariamente a inovação deva ser uma completa disrupção do produto, mas pode trazer uma nova forma de executar algo no dia-a-dia. E atenção, mesmo seu produto ou serviço sendo algo completamente diferente, no momento em que começar a dar resultados vão surgir mais dez fazendo o que você já faz. Então, foco em sempre polir sua inovação para ser a melhor opção no mercado;

Pessoas capazes trazem mais resultado: contratar pessoas qualificadas é primordial, entretanto, mais do que isso, capacitar funcionários pode garantir uma permanência maior. O mercado está cada vez mais agressivo em busca das pessoas certas, empresas maiores podem oferecer maiores salários, mas a startup pode oferecer mais autonomia e horizontalidade. Cuide para que essas características sejam prioridade na sua empresa;

Seus primeiros clientes são sua maior propaganda: a satisfação do cliente para empresas que estão começando deve ser prioridade, ainda mais quando o dinheiro é contato. Além disso, essas são as primeiras pessoas que vão testar o seu serviço ou produto e podem te ajudar a aparar as arestas e melhorar o que precisa ser melhorado;

Faça da internet sua melhor amiga: Entenda seu público, aprenda como engajar os seus possíveis clientes e faça das suas redes sociais e site mais que um espaço de venda, os transforme em uma janela de interação. Uma boa comunicação pode cativar e converter mais que postagens pagas ou propagandas caras.

Quer empreender?

Agora que você já sabe sobre todos estes desafios, por que não pedir uma ajuda nossa? Nós da Júnior FEA-RP realizamos projetos personalizados para empreendedores, em todas as áreas da administração. Venha ter a experiência de trabalhar conosco!


Autor


Parceira de Guestpost
Live Here

O que é uma Empresa Júnior? Vale a pena contratar?

Empresas Juniores são empresas formadas e geridas por estudantes de ensino superior, com o principal objetivo de desenvolver os membros para o mercado de trabalho. Sendo assim, você sabe qual é o papel que elas podem desempenhar?

Como elas trabalham para o desenvolvimento dos membros? E qual o seu diferencial em relação a uma empresa sênior? O que você acha de entender melhor as semelhanças e as divergências entre esses dois tipos de empresa?

Diferenciais

Uma das principais diferenças entre uma empresa júnior e uma empresa sênior, é que uma tem fins lucrativos e outra fins educacionais. Você sabe o que isso quer dizer? Significa que uma empresa júnior está fundada em valores para fomentar o desenvolvimento dos membros e com isso consegue fornecer serviços de alta qualidade devido ao auxílio de professores para aproximar os estudantes do mercado de trabalho.

Movimento Empresa Júnior

No Brasil, as empresas juniores seguem diretrizes do Movimento Empresa Júnior (MEJ) e da Confederação Brasileira de Empresas Juniores (Brasil Júnior), com base em missões e visões, em que se consistem compromisso com resultados, sinergia, orgulho de ser MEJ, transparência e postura empreendedora. Essas organizações maiores realizam eventos por todo o Brasil para unir e melhorar as empresas juniores brasileiras, além disso, elas oferecem ajudas e mentorias às empresas juniores para que estas se desenvolvam.

Preço

É importante ressaltar que as empresas juniores, por não terem fins lucrativos, fornecem serviços de alta qualidade a preço abaixo do mercado, e que o resultado dessa prestação de serviços é investida em treinamentos, cursos e capacitações para que os membros possam ter um maior crescimento profissional.

Processo Seletivo

A inserção de membros numa EJ é uma das semelhanças que elas têm com as empresas sênior, visto que possuem fases de resolução de cases em grupo, apresentações desses cases e entrevistas individuais. Mediante a isso, os integrantes que entraram numa empresa júnior passaram por um processo seletivo, que analisa competências, habilidade e atitudes, de uma pessoa que busca aprender e realizar serviços profissionais, tudo para que os projetos estejam com qualidade profissional. Devido a isso, os membros de empresas juniores estão mais preparados para tentar entrar numa empresa sênior.

Contribuição Social

Fica claro portanto que os resultados que uma EJ obtém, contribuem socialmente para a região e seu mercado. Isso se dá porque as Empresas Juniores, têm como sua principal atividade no mercado auxiliar as micro e pequenas empresas, e porque muitos ex-membros de empresas juniores desenvolvem empreendimentos com grande relevância, a exemplo da XVI finance, empresa de consultoria, composta por diversos membros que já fizeram parte da Júnior FEA-RP.

Como podemos ajudar?

Agora você já sabe o que é uma empresa Júnior. Se interessou pela proposta? Precisa de alguma ajuda para o seu negócio? Nós, da Júnior FEA-RP, podemos ajudar! Nós oferecemos uma experiência única, com um projeto personalizado e de preço acessível para você. Seu projeto será recorrentemente acompanhado, trazendo atualizações sobre o andamento do projeto, além disso, você terá um canal de comunicação com os coordenadores e consultores do projeto, que estarão à disposição para tirar quaisquer dúvidas que você tenha. Entre em contato e venha viver a experiência Júnior FEA.